A Ostalgie

O Salão do Automóvel de Frankfurt desse ano pode ver a volta do Trabant como um carro elétrico pela empresa Herpa. O Trabi, chamado assim pelos alemães do leste, será um carro elétrico, com autonomia de cerca de 250 Km entre recargas, e terá um painel solar para captar energia. “O novo Trabant será um carro com muito estilo e história. Ele contará com um propulsor elétrico para seguir as tendências da indústria atual”, afirmou o porta-voz da Herpa, Daniel Stiegler.

Reprodução do novo Trabant

Reprodução do novo Trabant

O Trabant era um carro fabricado na Alemanha Oriental (RDA), entre 1957 a 1991, feito de plástico semelhante à fibra de vidro, e que não fazia mais do que 100km/h. Ele teve duas gerações, a primeira de 1957 a 1967 e a segunda de 1967 a 1991. Além disso, era uma máquina de poluir, tanto por fazer muito barulho, quanto por produzir uma grande quantidade de fumaça, segundo o site Brand Republic. Agora será um carro amigo do meio ambiente.

Primeira versão do Trabant

Primeira versão do Trabant

O relançamento do Trabi marca um novo capítulo do saudosismo da velha RDA, chamado Ostalgie, que é um neologismo alemão criado a partir das palavras Ost – leste – e Nostalgie – nostalgia. No começo da reunificação, todos os produtos do lado oriental sumiram das prateleiras, e foram substituídos por produtos ocidentais. Mas com o tempo alguns antigos habitantes do leste alemão sentiram falta dos velhos produtos. Hoje alguns deles voltaram às prateleiras, caso dos pepinos em conserva (Spreewald Gurken).

Bandeira da antiga Alemanha Oriental

Bandeira da antiga Alemanha Oriental

Mas a Ostalgie não se restringe à compra de produtos do bloco comunista, vai além. Em 2003, haviam quatro programas na TV alemã sobre a vida do outro lado do muro. Em 2005, um alemão chamado Thorsten Jahn “enlatou” o cheiro do Trabant, e vendia pela Internet por 3,98 euros (4,81 dólares). Ele disse que “queria preservar o passado de uma maneira original“.

Lata do cheiro do Trabi

Lata do cheiro do Trabi

Segundo o blog 4P da Exame, editado pelo jornalista Daniel Hessel, o filme Adeus Lênin deu origem à Ostalgie. Mas talvez ele fosse só o estopim. O problema foi que depois de uma década de reunificação, a Alemanha viveu uma época de crise de identidade e de desemprego, e o antes Estado repressor, virou uma lembrança de “bons tempos” para os antigos moradores da RDA.

Camisetas alusivas a antiga RDA

Camisetas alusivas a antiga RDA

De acordo com o site Deutsche Welle, o fato de “o cotidiano foi substituído de uma hora para outra: mercadorias, moeda, imprensa, valores — tudo vinha do Ocidente. As lembranças não tiveram tempo para empalidecer, precisaram ser apagadas. Não é, portanto, de se admirar que elas agora voltem à tona“.

Anúncios

Sobre grcastanho

Fiz este blog para expor minhas idéias sobre os mais variados temas, mas principalmente Marketing, Política, Economia e Artes em geral.
Esse post foi publicado em GuiC e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s