A Publicidade e a Crise – Parte II

Já escrevi aqui sobre a crise. Mas acho que não terminei ainda.

Publicidade e Propaganda não servem apenas para serem usadas em momentos em que a economia vai bem, e que os anunciantes informam que existem aos consumidores, e que seus produtos são maravilhosos. Quando há uma redução do consumo, elas também tem que investir, pois como estão comprando menos, elas obviamente precisam ressaltar que seus produtos são ótimos e que ele (anunciantes) são o máximo.

Em momento de crise não é HORA DE FICAR COM MEDO. Em chinês, a palavra crise têm dois significados: 1º – GRANDE PERIGO; 2º – OPORTUNIDADE. É preciso audácia. Grandes empresários e investidores sabem que na crise não deve ficar com receio, esperar ela passar para voltar a investir.

Empresas que anunciam na crise saem dela muito mais fortes. Quando a argentina passou pela crise de 2001, a Danone aumentou seus esforços em propaganda com o lançamento de uma água com aroma e levemente gaseificada (igual a H2OH) e pouco depois a água já representava 25% do faturamento no país portenho. Segundo Gustavo Valle (responsável pela Danone argentina há época)  “Investir em publicidade em períodos turbulentos fortalece a marca perante os consumidores

kotler-crise

Como disse Craig Barrett da Intel:

Vivemos altos e baixos, e toda vez que o mercado foi para baixo, tomamos a mesma atitude: é preciso continuar investindo, porque, quando o mercado se recupera, você se torna mais forte. E a única maneira de se tornar mais forte quando sair da recessão é investir durante esse período, com novos produtos e nova tecnologia

O Wal Mart nos EUA, conseguiu aumentar o faturamento em 2,4%, enquanto as outras redes varejistas encolheram. E isso não foi obra do acaso. A empresa investiu pesado em propaganda estimulando os consumidores a economisar em suas lojas com a campanha “SAVE MONEY, LIVE BETTER“.

savemoneylivebetter2wallmartlogo

Vários estudos (tabela a baixo) apontam que empresas que investem na crise saem melhor dela. No estudo da consultoria McKinsey, por exemplo, apenas as empresas, que em período de recessão, investiram tiveram aumento de lucro na recuperação econômica.

via exame.com.br

via exame.com.br

Se as empresas querem sair da crise a salvas elas teram que investir em propaganda. Que seja propoganda convencional. Mas elas devem investir, de outro modo, perdem os dois: ANUNCIANTE & PUBLICITÁRIOS. Um por não anunciar, e, conseqüentemente, não informar sobre seus produtos/ serviços, e outro (as agências) que perdem receita, que por sua vez, como não tem receita, deveram “cortar gastos” (leia-se empregos).

Anúncios

Sobre grcastanho

Fiz este blog para expor minhas idéias sobre os mais variados temas, mas principalmente Marketing, Política, Economia e Artes em geral.
Esse post foi publicado em GuiC e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A Publicidade e a Crise – Parte II

  1. Pingback: A Publicidade e a Crise - Parte III « GuiC

  2. Pingback: Nizan é o Cara « GuiC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s